Pesquisar este blog

quinta-feira, 28 de abril de 2016

O PODER DE CADA UM




Em busca da sanidade

            Algo precisa mudar num ninho que perdeu sua função de nidar seus membros e virou um campo de lutas e debates! Quem muda? O Grupo Familiar não sabe fazer diferente, não acredita que deve/pode, não se permite fazer diferente de suas próprias crenças. Seus membros, com foco externo, olham uns para os outros, acusam-se e esperam que o “errado” mude. E continua essa ciranda de culpados que não mudam e nada muda... Quanto tempo se perde tentando mudar o outro! Quanta energia! Quanta dor!

Então, quem muda? Quem ousa fazer diferente? Quem desobedece às “leis” do grupo? O “certo” ou o “errado”? Quase sempre é aquele que sofre de modo que, afinal, lhe é insuportável. Sua dor quebrou seu orgulho, sua vaidade, minou as “certezas” do seu ego. Preso à lealdade a seu grupo, não ouve nada de “fora”, sente-se confuso, esgotado, humilhado, fracassado... perante si mesmo, perante o grupo, perante o mundo. Está frágil, perdido, desorientado... Sente-se desvalorizado, desamado...

Só a força e o poder de um Outro Grupo (Anônimo ou não), que o acolha, num novo modelo de Família, com respeito, valorização e amor, poderá fazê-lo baixar a guarda e ouvir...  Só o poder de um Grupo de pessoas iguais a ele em sua dor, em seu desespero, em sua confusão, em seu momento de humildade...  Só esse Grupo poderá ter credibilidade para ele. E é ali, onde vai ser respeitado, que aprende a respeitar... Onde ouve e é ouvido... Onde se sente aceito e consegue a honestidade e a coragem para se descobrir, se aceitar e até se revelar... Onde lhe é sugerido um novo crer, pensar, sentir, agir, que seja realista, ético, amoroso...  Onde descobre sua impossibilidade de modificar os outros, mas descobre seu próprio poder e a responsabilidade de Se modificar. Lá, descobre seu dever de ser leal a si mesmo, às suas necessidades, seus dons, suas dificuldades, suas verdades... Vai descobrindo sua humanidade e aprendendo a aceitar a humanidade dos outros. Vai -se modificando para poder amar melhor a si mesmo e aos outros.

Essa “nova família”, esse novo ninho, nos acolhe enquanto vamos descobrindo-nos, nos aceitando, nos transformando... É nela onde vamos nos “emplumando”, com novas cores, com novos cantos, para novos voos. Somos uma Graça de Deus, esse Poder Maior de Amor, e nos foi confiado  o poder de desenvolver nossos atributos mais sagrados. Estamos agora aprendendo a nos responsabilizar por nosso voar eterno em Sua Direção.

 Não queremos abandonar o ninho antigo! Ali, nosso coração criou vínculos eternos de amor, mas, ao “voltarmos para casa”, precisamos trazer conosco um novo modo de Amar e de Estar...  Não posso “consertar” o ninho antigo, nem aqueles que ali habitam. Não devo tentar convencê-los, pois seria desrespeitá-los em suas  escolhas e em seus tempos. Mas posso ser um familiar “diferente”, leve, amoroso, assertivo, honesto, livre, libertado... Posso ser um membro mais sadio num ninho adoecido.  Posso ser um exemplo da possibilidade de Ser e Estar com Harmonia e Amor. Posso ser a prova da força e do poder libertador de cada um de nós, a cada dia, em nossa própria vida e no convívio nos grupos onde estivermos. 


sábado, 23 de abril de 2016

O PODER DO GRUPO FAMILIAR



O poder equivocado

            De tudo que refletimos sobre o poder dos grupos, resta um olhar aprofundado sobre o Grupo Familiar, nosso “primeiro e virginal abrigo”. A Família nos acolheu, quando sem sua força e amor sequer poderíamos sobreviver. Ela nos ensinou como ser para pertencer à família e ao mundo a que chegamos. Criou em nós um conjunto de crenças/”verdades” pelo qual passamos a nos ver, a ver os outros, a interagir com o mundo. Passou para nós um conjunto de valores, aqueles que a Família acreditava serem os melhores. “Quem somos?” O que é Deus? Como desempenhar nossos papéis? O que é o Bem? E o Mal? O que é ser bom? E ser Mau?... O que vale realmente? Dinheiro, Poder, Status... ou Verdade, Generosidade, Respeito...    A Família tudo nos deu, ela nos defende e nos ama, mas ela espera lealdade e obediência!

            Seu poder é imenso, para o Bem ou para o Mal, libertando ou aprisionando!  Só não é total, porque cada um de nós, Centelhas Únicas de um Poder Maior, traz e mantém o poder de fazer escolhas, mesmo que inconscientes, mesmo que interiores. Mas o poder da família certamente influencia e coage muitas de nossas escolhas.  Ela acredita que precisa manter a coesão do grupo, proteger cada um de nós, resguardar seus valores, sua própria identidade familiar. Mas, “por amor” e equivocada, ela tem expectativas irreais, idealizadas, sobre cada um, que ela considera uma “parte” da família. E isso tem um custo imenso (físico, afetivo, psicológico), maior ainda para alguns que para outros.

 Para conseguir sucesso em nos direcionar, a Família acredita que tem o poder, e até o dever, de nos modificar. Para garantir sua  coesão, ela acaba, muitas vezes, por ignorar nossa individualidade e nos sufocar. Os laços de amor vão-se apertando, engrossando e se transformam em nós que nos aprisionam, principalmente àqueles que, rigidamente, tentam seguir na “missão impossível” de atender às expectativas de papéis idealizados ou àqueles que, também creem ser seu dever submeter os outros aos modelos que lhe foram impostos pelo grupo.

Cada um sente-se dividido entre a lealdade às regras e expectativas da família e às suas próprias possibilidades, anseios e dificuldades. Ainda querendo acertar e ter aprovação, aprisionamos nossos sentimentos de ansiedade, frustração, raiva, mágoa, culpa, vergonha, ressentimento... sob nossas máscaras sociais de “tudo bem”! Tentamos, inutilmente, controlar uns aos outros (aos “errados”) por todos os meios: concessões exageradas, cobranças, agressões, silêncios, manipulações, omissões, mentiras...  E quanto mais tentamos nos enquadrar ou enquadrar uns aos outros para nos manter unidos, mais nos afastamos! Tanta luta, tanto vazio de alegria, nos levam a buscar fora o que nos possa aliviar, fazer escapar da dor, nos distrair ou dar prazer físico, sensorial, mental... E, quando Dor é maior, exageramos na fuga, nos anestesiamos mais e mais (com químicos ou não)...  Adoecemos, perdemos o rumo, já temos em risco a própria vida física, mental, social, espiritual...

Ainda mais assustado, o grupo sente-se ameaçado de perda. A Família, que é naturalmente inquieta na sua preocupação com todos, alarma-se e aumentam os mecanismos de coerção, para defesa do indivíduo e do grupo. Aumenta a tentativa de controle e as frustrações resultantes levam a mais luta com acusações ainda mais duras de culpas, desculpas, vergonhas, agonias...  A Família está se estilhaçando em dor! Uns fogem, outros resistem, insistem... Do desespero à desesperança, alguns até morrem...  Tudo que a família sabia foi feito. E agora?  É um momento de impasse!  Algo tem que mudar, mas o quê? Quem?  Quem muda?

Continua – O poder de cada um

segunda-feira, 18 de abril de 2016

PARTILHA



                                                          Textos que
                                                          falam da vida,
                                                          das emoções,
                                                          dos momentos,
                                                          dos sentimentos.

                                                           Palavras
                                                           que tocam
                                                           aqueles que leem
                                                           e levam a reflexão.















domingo, 17 de abril de 2016

O PODER DOS GRUPOS HUMANOS




           Somos seres grupais. Mesmo sendo indivíduos/únicos, precisamos das relações grupais para nos descobrirmos, nos construirmos e nos desenvolvermos. Precisamos nos sentir pertencendo! Mas o poder dos grupos pode ser para o Bem ou para o Mal! A força dessa pertença pode nos arrastar para a agonia ou para a alegria, para a prisão ou para a libertação. 

A necessidade que temos dessa pertença dá aos grupos o poder de dirigir nossas mentes a partir de crenças/orientações, que controlam nossos pensamentos, nossos sentimentos e atitudes. É um poder que pode tornar-se perigoso, porque nos submete ao que vem de fora (foco externo), nos condiciona a aceitar como verdades as verdades do grupo; porque, para Pertencer, os grupos nos fazem abrir mão de Ser, das nossas próprias razões, dos nossos anseios, das nossas escolhas, para sermos aceitos, valorizados e amados.

Em nossa sociedade humana, a princípio pela necessidade de sobrevivência, fomos acolhidos e passamos a ser parte de grupos que nos defendem, mas, em troca, esperam e cobram obediência e lealdade.  São acolhedores, mas coercitivos. E sempre funciona assim, nos muitos grupos aos quais vamos pertencendo: Família, Escola, Igreja, Clubes, Culturas... Recebemos muito, desde que não queiramos contestar a “cartilha” do grupo, desde que não queiramos Ser originais, criativos, diferentes! Os grupos temem as diferenças e os diferentes que podem ameaçar sua homogeneidade, seu poder ou a perda/abandono de suas “partes/indivíduos”.

Mas não podemos abrir mão de sermos leais a nós mesmos! Não fomos criados para sermos meros repetidores em troca de valorização e defesa. Temos um dever a cumprir com a Luz que nos foi confiada por um Poder Maior. Temos dons, ideias, qualidades a serem descobertos, desenvolvidos... e defeitos e dificuldades a serem superados. Temos histórias únicas, destinos únicos, caminhos únicos a serem trilhados, ainda que enriquecidos no compartilhar. Esse é o nosso grande desafio: Ser e Pertencer!

Precisamos buscar o equilíbrio entre o respeito a nós mesmos e o respeito a todos no grupo, qualquer grupo, para nos tornarmos enriquecidos e enriquecedores.  Precisamos abrir mão de tentar controlar e de não nos deixarmos controlar...  Precisamos não criar expectativas sobre os outros, nem aceitarmos o peso das expectativas do grupo. Precisamos ser leais e verdadeiros conosco mesmos para sermos espontâneos e trazermos leveza e sanidade ao grupo.  Toda a responsabilidade que vou adquirindo para cuidar de mim reflete-se em cuidado, respeito e responsabilidade com os grupos de que fizer parte.

Quando encontramos esse equilíbrio, tornamo-nos um elemento libertador e sadio ao grupo, levamos a força criativa do indivíduo ao grupo que, com riqueza e força, nos retroalimenta...    Assim caminhamos, assim evoluímos...

Continua: Poder da Família  

segunda-feira, 11 de abril de 2016

RAÍZES




            Minhas raízes eram fortes, sólidas, bem fixadas e espalhadas, vindas de muitas direções, trazendo nutrientes variados para a formação de mim e da minha história...  Assim são as raízes. Dão sustentação e nutrem para sempre cada novo Ser. Elas nos alimentam física, emocional, racional e espiritualmente. Ajudam a nos fixar ao “solo”, qualquer que seja o solo onde a vida nos tenha plantado.

            Nossos pais são nossas raízes mais próximas, mas eles também se nutriram de muitas outras, que se entrelaçaram formando uma verdadeira teia de vida, que nos nutrem a todos. São nossos ancestrais, não só nos “sobrenomes”, mas nos costumes, nas crenças, nas tradições, nas histórias que ouvimos e tanto embalaram nossa infância.

            Apoiados e garantidos por essas raízes, crescemos, florescemos. Na brisa suave da mocidade, nos enternecemos e enamoramos. Na idade adulta, poderosos, enfrentamos ventos mais fortes e quisemos ser, nós mesmos, as raízes dos frutos que geramos.

            No curso natural dessa vida, vamos perdendo algumas das raízes que nos sustentavam. A perda de cada uma delas, começa a marcar o início do processo de nossa própria finitude aqui. A perda da experiência carinhosa dos avós, da presença enriquecedora de tios, irmãos, amigos...  e a perda do pilar representado por nossos pais. Todas essas perdas nos fazem sentir que a teia que nos acolheu, vai ficando mais rala, mais puída...  Sentimo-nos por muitos momentos meio soltos, “bambos”, sem a firmeza plena e rica daquele solo que nos mantinha.  É muito importante, então, cultivarmos, com muito cuidado e carinho, o solo dos que ainda ficaram, os que nos restaram.

            Muitas vezes os procuro fisicamente, quero contar-lhes algo, sorrir com eles, quero ir às suas casas, quero poder ouvi-los para  me posicionar melhor ante os desafios da vida, quero me sentir tão cuidada e amada ... E quando, fisicamente os encontro tão frágeis ou, tristemente, não mais os encontro, sinto-me abandonada, assustada, num mundo cada vez mais vazio deles. Então procuro lembrar-me de tudo que recebi e que me fixou à vida: suas presenças, suas falas, seus exemplos, suas zangas e alegrias, suas humanidades, seus cuidados... Forjaram em mim mesma uma raiz/mãe mais forte e profunda, que sustentará meu próprio tronco envelhecido até meu fim aqui.

            Como na natureza, as raízes não se acabam. Cumprem seu destino, depois se eternizam, desmanchando-se na disponibilidade do solo para novas sementes.. Aqueles que nos antecederam, que se doaram como nossas raízes, sobrevivem e vivem em nós, assim como também nós nos transformaremos em “adubo” de vida para os que nos seguirem.

            Minhas raízes estão tão vivas em mim! Na pessoa que sou, nas minhas mais queridas lembranças, na saudade que tanto machuca, no respeito a tudo que são, ou que foram.

segunda-feira, 4 de abril de 2016

GRITOS E SUSSURROS EM ORAÇÃO




            Súplicas e agonias... “Me acolhe, Senhor!”   Há momentos tão difíceis...Difíceis interiormente, independente do que ocorra fora de nós. Momentos em que estamos mal. Nosso ego e nossas emoções estão em convulsões e agonias, tudo se misturando, em confusão. Momentos em que buscamos abrigo e ajuda numa dimensão superior...

            “Me acolhe, Senhor!”  Não quero aceitar o que me cerca: pessoas, circunstâncias... Não quero aceitar nada, nem mesmo a mim nas minhas circunstâncias!    “Me acolhe, Senhor”! Aceita-me nesse meu momento!

            Acolhe meu medo, minhas frustrações, meus erros, minhas fraquezas, minhas deslealdades... Acolhe minhas raivas, minha prepotência orgulhosa, meu julgamento arrogante dos outros!

            Acolhe minha dor e confusão por me sentir, às vezes, ainda tão entregue a essas lutas internas ...
            Abraça minha súplica de acolhimento, para que eu consiga a  pura e simples aceitação de mim e do meu momento, para poder transcendê-lo...
           
            “Pedi e Recebereis”  Foi dito e eu acredito!  Ao sentir a doçura simples desse acolhimento, tudo em mim parece ficar, aos poucos,  sereno. Posso “ver e escutar” melhor meus sentimentos, posso analisar com calma as racionalizações, equivocadas ou não, do meu ego agressivo e competitivo, posso “baixar a guarda” e depor as armas defensivas que acabam por agredir a mim mesma, posso entender com honestidade minhas atitudes... E entro, então, num estado de relaxamento e aceitação... 

            Isso é  oração! É quando me entrego a uma dimensão além da emoção, além da razão... Grito, suplico, sussurro, em agonia, com humildade... buscando sintonia com uma dimensão de pura Luz Amorosa. Então, solto-me... e me entrego! Estou acolhida, consolada, serena...  Posso então continuar...